Faltou tempo

Faltou tempo, mãe.

Quanto tempo era o certo, eu não sei. Mas não consigo parar de pensar no quanto tempo eu perdi, enquanto você ainda estava aqui.

Em tantos lugares sem saída, em becos desertos, escuros e vazios dentro de mim.

Onde a sua luz não me alcançava, mas bem que você tentou.

E tentou. E tentou. E tentou.

Às vezes penso que, em algum momento, você desistiu. Alguns dias, tenho certeza de que lutou por mim até o fim.

Talvez seus sentimentos de mãe fossem tão confusos quanto os meus de mãe do Henrique, mas decididamente não tão confusos como de filha.

Eu, sempre — e até agora — tão incompreendida, hoje tenho certeza de que foi você que sempre me entendeu.

Me deu todos os espaços, todas as chances e muito mais do que eu merecia.

Sei que não foi fácil. Sei que nada nunca foi fácil para você, nem eu.

Me pergunto todos os dias o que será que você pensava enquanto criava a gente. Será que mãe é tudo igual mesmo e você pensava o mesmo que eu penso?

Talvez sim. Provavelmente 3 vezes mais do que eu.

De tudo, o que eu mais penso é o que você me diria se estivesse aqui comigo em cada um dos momentos em que a sua falta cavuca o buraco que o fim da nossa vida juntas deixou em mim.

Certamente diria alguma coisa bem coaching motivacional e eu me irritaria, diria que você não entende como eu me sinto. E daqui a 10 anos, eu saberia que você me entendia sim, como eu sei agora.

A gente lá nos idos da virada do milênio

A verdade é tão clichê, tão frase motivacional…daquelas bem batidas. Vou ter que dizer aqui, para cumprir com meu papel social: eu só percebi o quanto eu precisava de você quando eu te perdi.

Só entendi a dimensão e a loucura desse amor e dessa falta, quando você não estava mais aqui.

Já te culpei muito, por tantas coisas. Já arrastei a minha corrente também.

Queria dizer, bem bonito, que daria tudo para te ter aqui comigo agora. Mas não é verdade.

Sei que somos feitos dos passos do nosso caminho, e isso eu aprendi com você.

Talvez a coisa que eu mais valorize nessa vida seja quem eu sou e onde estou agora, nesse momento. Tendo tudo o que eu sempre sonhei a vida inteira.

E eu só queria que você soubesse disso. Que você olhasse para isso tudo e sorrisse, sabendo desde sempre tudo o que eu só sei agora.

Dez anos é tempo demais para ficar sem você, mãe.

E esse é um saber que eu sempre vou saber mais que você.

Nossos dias todos nossos de Guarujá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s